Segunda, 22 de abril de 2019
Sergipe

16/04/2019 às 19h36 - atualizada em 16/04/2019 às 20h03

Redacao

Estância / SE

Tambaquis eliminam vetores de doença em lagoa de Estância (SE)
Lagoa dos Tambaquis tornou-se um ambiente turístico e monumento natural da cidade
Tambaquis eliminam vetores de doença em lagoa de Estância (SE)
Mais de 20 mil peixes foram introduzidos no local no anos 90 — Foto: Eduardo Lacerda

A instalação de tambaquis nas lagoas do município de Estância (SE) tornou-se uma medida eficaz para o combate à esquistossomose. O projeto, criado nos anos 90, tinha como objetivo incentivar a atividade de predação dos peixes a seu principal transmissor, o caramujo.


Dados do Ministério da Saúde estimam que cerca de 1,5 milhão de pessoas no Brasil possam estar infectadas com essa doença e que, de 2007 a 2016, sete mil casos tenham ocorrido por ano em áreas endêmicas. Com a instalação dos peixes, o local, que era considerado nativo, deixou de manifestá-la.


“Adquirimos 20.000 alevinos em laboratório particular e soltamos na Lagoa. O resultado foi uma grande vitória”, comenta Rute Camilo de Azevedo, funcionária de um bar que fica nas imediações da Lagoa dos Tambaquis. Após a instalação dos peixes, o local tornou-se patrimônio turístico ambiental do município e a pesca da espécie foi proibida na lagoa.


Para o sucesso completo da intervenção realizada em Estância, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente realiza a análise mensal dos coliformes fecais da água e a Secretaria da Saúde é responsável pela coleta.


A transmissão desse parasita ocorre quando as fezes de um ser humano infectado entram em contato com a água. As larvas presentes pela doença liberam ovos e estes penetram nos caramujos. Quando desenvolvidas, essas larvas se infiltram pela pele do homem e reiniciam o ciclo.


“Diante de todo esse trabalho, foi comprovado que os tambaquis são realmente os salvadores da lagoa, daí esse nome: Lagoa dos Tambaquis, que uniu o útil ao agradável”, explica Rute.



Peixe de água doce, tambaqui pode alcançar 90 cm de comprimento — Foto: Eduardo Lacerda


Esquistossomose


Popularmente conhecido como barriga d’água, o nome é justificado pelo aumento do volume do abdômen, uma das consequências do período mais grave da doença. A maioria das pessoas infectadas pela esquistossomose pode permanecer sem apresentar sintomas, dependendo da intensidade da infecção.


Ao atingir a fase aguda, febres, calafrios, dores musculares, tosse e diarreia se tornam mais recorrentes. Com o aumento da gravidade da doença, o paciente apresenta emagrecimento e fraqueza acentuados e a consequente barriga d’água.


Por *Gabriela Brumatti, Terra da Gente


*Supervisionado por Fábio Gallacci

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium